sábado, 3 de novembro de 2012

Número de processos contra o Propecia cresce 32% no trimestre

Apesar do slogan "Be Well", a Merck & Co. parece estar promovendo justamente o contrário, pelo menos entre os usuários do Propecia (Finasterida 1mg).
Pelo segundo semestre consecutivo, o número de indivíduos que iniciaram processos judiciais contra a gigante farmacêutica apresentou significativo aumento. Eles alegam que "experimentaram efeitos colaterais persistentes mesmo depois da descontinuação do tratamento" com o Propecia (Finasterida 1mg).

De acordo com o boletim de resultados da Merck no período terminado em 30 de Setembro de 2012, aproximadamente 265 processos judiciais envolvendo um total aproximado de 415 homens foram iniciados contra a Merck, por causa do Propecia, somente no último trimestre.  É um crescimento de 32,5% sobre o período anterior. Esse número se soma ao processo coletivo existente nos EUA (Class action lawsuit - um processo coletivo envolve um grande número de participantes que se unem num mesmo objetivo), ao processo coletivo que foi iniciado no Canadá contra o Propecia, ao processo coletivo que está sendo organizado no Reino Unido e ao processo individual que existe em Israel. Todos alegando que o Propecia destruiu a vida sexual e a saúde de jovens homens antes saudáveis. Na foto, o CEO da Merck, Kenneth Frazier, no comando da empresa desde 2010.

6 comentários:

  1. Há notícia de alguma ação contra e empresa no Brasil ?

    Há algum "leading case" ( primeiro caso julgado, caso que serve de premissa ) no Brasil ou em outro país ?

    As vítimas já pensaram em se unir para processar a empresa no Brasil tendo em vista que as chancer de ganhar sriam muito maiores ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só tenho notícia de um processo individual no Brasil.

      Excluir
  2. O CEO da empresa é careca, dá pra acreditar?

    ResponderExcluir
  3. Pessoal, sobre o processo coletivo ou sobre a união das vítimas, gostaria de convidar TODOS a registrarem queixas na ANVISA sobre esse medicamento. Temos que nos unir e gerar ruído. É possível tirar a finasterida do mercado, desde que todas as pessoas atingidas pela síndrome registrem queixa.

    Seus dados serão coletados no sistema da ANVISA, mas ela respeita a sua privacidade, então não há risco de exposição pública.

    Pessoal, por favor. Temos que nos mobilizar contra essa droga que está destruindo vidas. Se pudermos salvar apenas uma vida desse pesadelo, já teremos obtido sucesso.

    ResponderExcluir
  4. Isso aqui é propaganda contra Finasterida, Ta na cara isso!!

    ResponderExcluir
  5. Estou de boa tomando. 3 meses já, cabelo cresce, normal.

    ResponderExcluir